A cirurgia oncológica e a fisioterapia

O cirurgião tem papel de grande importância na prevenção, diagnóstico, estadiamento e tratamento do paciente com câncer.

A cirurgia pode ter caráter paliativo ou ser curativa. A ressecção curativa é aquela em que todo o câncer visível é removido e as margens cirúrgicas são microscopicamente livres de lesão. Um limite macroscópico de 2 cm pode ser suficiente em uma margem da ressecção, mas pode ser necessária uma distância maior em outra margem. Na cirurgia radical, além de os preceitos de cirurgia curativa serem atingidos, é acrescida a ressecção concomitante de órgãos ou regiões contíguas ou contínuas. Além da margem cirúrgica mais ampla, é realizada usualmente linfadenectomia (retirada dos linfonodos) de pelo menos uma cadeia linfonodal negativa de comprometimento neoplásico, além das cadeias linfonodais primariamente em risco de comprometimento. Se considerarmos a disseminação linfática como uma seqüência contínua de canais e linfonodos, a ressecção de linfonodos negativos após a última cadeia comprometida confere, pelos menos teoricamente, mais segurança em relação à ausência de doença residual linfonodal. Em certas regiões, pela própria disposição anatômica, uma linfadenectomia completa é bastante alargada. Do ponto de vista prático, é importante termos pelo menos uma amostragem dos linfonodos das cadeias mais distantes e assegurar a remoção das cadeias proximais. Uma linfadenectomia mais alargada aumenta a morbidade e maior chance de sequelas.

Definimos como operação curativa aquela na qual, macroscopicamente, não observamos câncer residual e em que os limites microscópicos da ressecção estão livres de comprometimento. O prognóstico e o tratamento pós-cirúrgico certamente são diferentes nestas distintas situações. Muitas vezes para que se tenha margens livres de neoplasias, os cirurgiões acabam por sacrificar estruturas anatômicas, neuromusculares e linfáticas, que acarretam em seqüelas operatórias transitórias ou definitivas. É aí que os fisioterapeutas entram.

Fisioterapeutas são os profissionais responsáveis por amenizar, tratar e reabilitar as sequelas decorrentes destes procedimentos cirúrgicos. Elas aparecem decorrentes do tipo do tumor e do procedimento realizado.

Em cirurgias de cabeça e pescoço os pacientes podem apresentar paralisia facial, dor muscular, queda de ombro, edema de face, trismo, fibrose e aderência de cicatrizes que podem limitar os movimento. Em cirurgias de mamas podemos observar o aparecimento de linfedema, restrição na movimentação dos braços e ombros e presença de dor. Em cirurgias de coluna e de sistema nervoso central (cérebro) podemos observar dificuldade para andar, fraqueza nos membros, desequilíbrio, incoordenação nos movimentos. Cirurgias uroginecológicas podem acarretar em incontinência urinária e linfedema de pernas.

Cirurgias toracoadominais podem trazer comprometimento respiratório. Cirurgias ortopédicas como amputações necessitam de um trabalho especial como protetização e treino de marcha

As disfunções dependem do tratamento realizado. Nem todos os pacientes ficam com sequelas, converse sempre com seu médico e seu fisioterapeuta.

Por Fisioterapeuta Jaqueline Munaretto Timm Baiocchi
FisioOnco - Reabilitação Oncológica e Linfedema
Rua Joaquim Távora, 303 - Vila Mariana / Cep 04015-000 - São Paulo - SP - Tel.: (11) 3255-4727